Ainda a entrevista de Dilma no Jô. Ou: Senil não, mas servil sim.

Segundo a jornalista Cora Ronai, Jô Soares “tem tanto direito de gostar da Dilma quanto a maioria de nós tem de não gostar; isso não faz dele automaticamente uma pessoa senil ou corrupta.”

Senil não, mas servil sim. É claro que ele tem o direito de gostar de quem quiser, mas não o de confundir simpatia e preferência com adulação que reflita no conteúdo que ele vende como “informação isenta”. Jô Soares, ainda que em franca decadência, é uma figura pública de renome e tem um espaço generoso na grade da maior emissora do país. Como já disse aqui, nunca esperei que ele a apertasse como um inquisidor ou um jornalista profissional, mas ao menos tinha esperança de que ele tivesse alguma compostura, em respeito a sua própria biografia. A vassalagem apoplética na boca de um senhor de cabelos brancos é muito mais hedionda e perigosa do que na de um adolescente espinhento.

Adendo – Ter linha editorial é distinto de se prestar ao panfletarismo. E é bom lembrar que Jô Soares nunca declarou a sua. Ele a assume de forma enviesada, sem jamais apresentá-la objetivamente ao público. Isso é intelectualmente covarde e desonesto, ainda mais quando a pessoa em questão banca de isenta quando não é de forma alguma.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s